Procure por assunto (ex.: vacinas, febre, etc.) no ícone da "lupinha" no canto superior esquerdo

21 de novembro de 2014

Eternos Nunca Mais


Num dado momento, achamos que o mundo não teria fim.
Também até algum tempo, achamos que a expectativa de vida só faria subir, e seríamos, quem sabe, eternos.
No abuso do planeta só vamos pensando em nos mexer quando a água bate no joelho - ou quando a falta dela nos deixa de joelhos.
No nosso estilo de vida atual, talvez só iremos perceber que muito do que fazemos (ou deixamos de fazer) irá impactar na idade do fim quando seja tarde para possibilitar a reversão.
O fato é que, embora tenhamos na média muito mais lenha pra queimar que nossos bisavós, não parece provável que só caminharemos para frente no quesito longevidade.
Doenças metabólicas que nos põem ansiosos com o único resultado de nos fazer comer mais e pior, transtornos psicológicos de todo tipo e o consequente abuso de medicamentos que criam um ciclo vicioso doença-tratamento-mais doença, desagregação familiar ampliada pelo exagero tecnológico, poluição, violência gerada pela desigualdade, pelo consumismo, pela pressão midiática do sucesso medido pela possessão, sedentarismo forçado por fatores até recentemente inexistentes como o medo da violência e do trânsito, substâncias de abuso de efeitos nefastos e vício quase imediato afetando faixas etárias com um pé na inocência e a própria escassez de muitos dos recursos planetários serão alguns dos grandes obstáculos que as novas gerações terão que enfrentar (e logo!) se não quiserem desaprender o que significa um "velho gagá".

18 de novembro de 2014

Poop Art*


Fazer cocô é uma arte (ou quase).
Precisa ambiente, concentração, esforço. 
Para alguns, naturalmente dotados, a obra sai sem grande esforço.
Mas para a maioria, é a dedicação diária o que leva à perfeição.
Na criança pequena constipada (com intestino preso), os pais devem perceber que situações favorecem essa "obra": se é sozinha, acompanhada, longe de todos, sem barulho, com barulho, musiquinha, embaixo da mesa da sala, no jardim, etc. (estranho? já vimos estas duas situações ocorrerem...). Principalmente se já estiverem há algum tempo com o problema ou traumatizadas com evacuações difíceis.
Depois de corrigido o problema - o que pode levar meses ou até mais de ano, e na maioria das vezes com o auxílio de algum medicamento - é que se negociam situações mais "normais" ou "sociais" de evacuação.
Cuidado, no entanto, para não exagerar. Há "criançonas" que de forma meio inconsciente não resolvem a constipação, para continuarem tendo as mordomias citadas acima, além de outros mimos.



* Existe de tudo nesse mundo de meu Deus. Quando pensei no título da postagem, me veio "Arte de Cocô" (Poop Art, em inglês, um chiste à "Pop Art", arte popular). E não é que já havia? Figuras como esta acima são exemplos (acabados, pode se dizer assim) da mais pura Poop Art. Nada mais "popular" que um belo cocô...

14 de novembro de 2014

O Clube do Prato Limpo


Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Cornell mostrou que pelo mundo inteiro aquilo que você põe no prato é quase exatamente igual àquilo que você irá comer, ou seja, o estômago costuma ter mesmo o tamanho dos olhos, exceto - e aí o motivo para chamar a    atenção dos papais ansiosos - na faixa etária pediátrica (seja porque não sabem medir o volume necessário para a saciedade, seja porque não têm certeza se gostarão do que puseram no prato, seja por simplesmente não terem aprendido a "limpar o prato" ou se recusarem a fazê-lo por "birra").
Em épocas de vacas (e crianças) gordas devemos valorizar - e ensinar - a perceber dois avisos fundamentais:
Fome: muito se come "por falta de coisa melhor para fazer", principalmente em crianças engaioladas dentro de casa (ou com poucos amigos, ou longe dos pais por boa parte do dia). Na presença da fartura calórica, até mesmo adultos têm dificuldade de saber se irão comer por fome (como diz o guru da boa alimentação Michael Pollan: "Se você achar que está com fome, pergunte-se se é fome suficiente para comer... uma maçã! Se a resposta é negativa, possivelmente não é fome de verdade. E no caso da resposta ser positiva, coma... uma maçã!").
Saciedade: talvez mais difícil ainda de perceber, é o aviso do organismo de que "chega", você já comeu o bastante. Como há um pequeno "delay" (demora) entre o preenchimento das necessidades e o aviso (parte do reconhecimento se dá não ao nível do estômago, e sim a nível intestinal e mesmo cerebral após alguma absorção dos nutrientes), o melhor mesmo é ter uma noção pelas experiências anteriores ("costumo comer X, então X será a quantidade colocada no prato").

11 de novembro de 2014

O Que os Olhos Não Vêem


Há muito tempo que se sabe (ou se suspeita) que o olhar do bebê "entrega" certas características que irão se mostrar inteiramente na vida adulta.
É a base do trabalho de muitos dos fundadores da psicanálise.
Outros trabalhos têm sido feito.
O mais recente é o de pesquisadores ingleses que mostraram que a pouca atração pelo olhar materno por parte da criança prediz um comportamento anti-social e de pouca afetividade (o que poderia "desembocar" tanto em psicopatias quanto em transtornos como o TDAH ou o autismo).
Curiosamente, no entanto, a criança autista num primeiro momento (primeiros meses) se mostra interessada e, a partir dos 2 aos 6 meses, vai perdendo o interesse pela mãe e pelas outras pessoas.
A atitude da mãe muda esse "destino"?
Não há muita dúvida de que sim, deve mudar, mas também curiosamente muito mais nas meninas (positivamente) do que nos meninos. Em alguns casos nos meninos a resposta parece ser inclusive contrária (mais atenção materna, menos resposta positiva, contrariando a teoria vigente por muito tempo que "culpava" as mães de darem atenção inadequada aos filhos autistas)!

Muita pesquisa ainda vem por aí...

7 de novembro de 2014

Tirinhos

 
É sempre difícil compreender o que se passa na cabeça de um povo diferente da gente, quanto mais julgá-los.
O povo russo tem uma história grandiosa, história recente (foi o único país que implementou o socialismo de fato e doeu, doeu muito, mas algumas das cicatrizes embelezaram mais do que enfeiaram, cultura e patrimônio) e história antiga (os tzares russos, nos seus mandatos ainda mais repressivos que os governos "revolucionários", criaram uma nação triste mas fascinante, e que aprendeu a tomar porrada e ficar de pé). 
Por isso não julgo o comportamento dos pais que em Moscou levam seus plácidos filhos pequenos nos parques para brincarem em inocentes carrinhos de combate:
 
 
Os mesmos filhinhos, um pouco maiores, tiram fotos vestidos de combatentes (endossando metralhadora, grandes capacetes e vistosos pentes de balas nas áreas chiques do comércio) do tempo da Segunda Guerra, para orgulho dos pais e aprovação dos passantes:
 
 
Não sei as reais consequências destes hábitos (e penso que ainda sejam mais consequência do tal passado do que causa de problemas futuros). Vemos o extremo desse comportamento em boa parte do povo árabe e asiático, e percebemos o quanto é péssimo. 
Mas temos todos incrustados em nossos gens um comportamento algo belicoso. Basta que um produto rareie num supermercado ou shopping center para que vejamos pacatas mães de família se esbofeteando. A inocência, a paz, são frutos de um acaso social, quase nunca duradouro.
Daí minha insistência para que os pais não se incomodem tanto com as - aí sim - inocentes arminhas de plástico, com os jogos de tiros e cacetadas. 
Importa muito mais o contexto onde estas crianças se inserem. E meninos gostam, gostam muito, de dar seus tirinhos. Faz bem. Relaxa, acalma. E ainda desenvolve sua identidade masculina (minha opinião).
Eu gostava. E hoje em dia admiro armas de longe, bem de longe. De preferência fora do alcance das balas.