Procure por assunto (ex.: vacinas, febre, etc.) no ícone da "lupinha" no canto superior esquerdo

30 de agosto de 2016

Só Acredito...


(A incredulidade de São Tomé, de Caravaggio)

Todo médico é meio São Tomé: tem tendência a se preocupar com aquilo que costuma ver.
Eu, por exemplo, tenho mais medo de moeda no chão do que de alergia alimentar. Por que? Porque já vi muita moeda engolida ("Síndrome do Cofre"), mas até hoje não vi anafilaxia (alergia grave) por qualquer tipo de alimento (nem pelas próprias moedas!), ainda que as moedas não costumem trazer mais do que prejuízo financeiro (transitório, "lavou, tá nova") aos engolidores.
Os exemplos abundam. 
A zika tem sido o exemplo mais recente. Muito temida, pouco vista. Merece a citação da mídia, a pesquisa. O que não merece é que nos perturbe o sono, pelo menos por enquanto. 
Quando leio sobre a zika, penso em outra doença que talvez merecesse mais preocupação. A cisticercose (doença do cisto da tênia do porco, que pode causar grandes estragos no cérebro) ainda afeta milhares de pessoas no Brasil, e tem diagnóstico difícil e muitas vezes tardio. Apenas já "manjada", por isso meio esquecida.
Interessante notar o olhar diferente de cada especialidade, também. Um especialista que atende pacientes referenciados de vários (centenas) de clínicos por um determinado problema (digamos, as próprias alergias alimentares mencionadas acima, atendidas por um alergologista) testemunhará uma alta frequência (relativa) de um determinado problema. O que pode significar um problema muito menor quando diluído na comunidade. 


Mas quem é chamado pela imprensa pra falar do assunto? O especialista, claro! E certo. Apenas que com a distorção epidemiológica, que deve ser explicada.

26 de agosto de 2016

Fibra, Minha Fibra


É muito difícil definir a "história intestinal" de cada um.
E ela tem uma grande importância, quando se trata de saúde, desde os problemas de constipação até alguns casos de doenças mais sérias como a retocolite, ou mesmo o câncer intestinal.
Pais e mães sabem o quanto tem sido difícil fazer a turminha pequena comer alimentos ricos em fibras e, por consequência, diminuir os alimentos pobres em fibras (grande parte das chamadas "bobagens").
Não é só o prazer alimentar. É a cultura. É o preço. (É pau, é pedra... Tô parecendo o Tom Jobim!). É até mesmo o desconforto que as fibras geram em pessoas mais sensíveis. Tem muita criança constipada que quando corrige a alimentação com ingestão de fibras passa a se queixar de "dor de barriga" justamente por causa... das fibras (o que era suposto melhorar a "dor na barriga" pela... constipação)!
Ansiedades, problemas familiares, traumas complicam ainda mais a história. Quanto cada sintoma (dor, constipação, diarréia, etc.) tem a ver também com isso?


O que estou querendo dizer é que problemas intestinais podem ser (e muitas vezes são) complexos. Quase que precisando levar seu intestininho para uma consulta com psicólogo...

23 de agosto de 2016

Ação!


Como hoje, mais do que nunca, crianças são ou estão ansiosas, os pais ficam sem saber se o que vêem nelas é devido à própria ansiedade ou não.
Por exemplo: tremedeiras, virar muito os olhos, girar a cabeça, etc.
Se são manifestações visíveis e não sentidas (como dores de cabeça, dor de estômago, palpitações) você tem (de novo) ao alcance da mão uma excelente arma diagnóstica: a câmera (filmadora) do celular. 
Quase sempre ao se tentar filmar essas situações, o "artista" em questão para de se "exibir"! E se para, é porque é (quase sempre) emocionalmente provocado.


Ajuda muito para separar o que pode ser "doença", como uma manifestação convulsiva, por exemplo, ou outro transtorno tratado por medicação, ou que precisa ser mais investigado.

19 de agosto de 2016

Um Momentinho, Por Favor!


Quem é mais novo que meio século não tem noção do trabalho das telefonistas do passado, que tinham que conectar as péssimas ligações entre um telefone e outro à mão num painel e, além disso, ficar esperando (e escutando!) as conversas até o final.
Tudo isso pela falta de um sisteminha eletrônico que fizesse isso no lugar delas.
Faço na minha cabeça a comparação desse painel de ligações com a atuação médica. 
Quando atendemos um paciente mais grave, ligamos um cabo com ele e a família. E até que a ligação seja desfeita (que o paciente melhore, que é o resultado menos trágico e esperado), ficamos com esse cabo ligado no nosso cérebro, no nosso emocional. 
Se são dois ou três pacientes mais graves, são dois ou três cabos ligados. E fica difícil para a maioria de nós lidar com muitos cabos a mais. Mas acontece, e para algumas especialidades e situações profissionais, o que acontece é justamente o caos visto na figura abaixo. Dificílimo. 


Oncologistas, por exemplo. Precisam ser muito sólidos no seu emocional, para não "circuitarem".
Pacientes costumam compreender essa história, de forma intuitiva. Por isso poupam seus médicos de "ligações inúteis". Curiosamente, muitas vezes até erram ao não informarem que "já estão bem, já pode desligar o cabo!". 

16 de agosto de 2016

Mico Phelps


Phelps é "só" o maior atleta olímpico de todos os tempos. É dele a mansão no ponto mais alto do Olimpo, o monte onde os deuses se abrigam (comparativamente, Zeus mora num quarto e sala). 
O que dá o direito a ele de fazer bobagem o resto do tempo, quando não está nas piscinas.
Aí ele é humano.
Fuma uma ervinha pra relaxar, bate o carro, enche a cara, resolve parar ainda no meio da carreira e... faz uso de "chupa-pele" pra melhorar das dores!
Chamou a atenção (como se precisasse!) com suas manchas violáceas provocadas pelo cupping (nome globalizado para o uso de ventosas) durante as provas de natação. 
Não foi só ele. Outros atletas seguiram o exemplo (só não é mais popular que morder medalhas ao subir no pódio ou dar entrevistas). Acontece que ele publiciza o método milenar chinês!
Como funciona a ventosaterapia?
"Chupando" as "toxinas" (ah, essas "toxinas"!) para fora da pele com a força da sucção aplicada pelos copinhos com pressão negativa.
Ãhãm!! (como muita coisa da medicina chinesa...).
Fácil assim!
Aí vem a provocação:
Funciona em mordida de cobra? (já que "chupa toxinas"...)
Funciona em pneumonias? (já que...).
Suspende os soros antiofídicos! Suspende antibióticos! Suspende (para Phelps e seus colegas micos) repouso, gelo e antiinflamatórios. 
Não devem ser só os atletas chineses (com seu segundo lugar garantido no quadro geral de medalhas) que estão sorrindo à toa!


A muito bem-sacada música do extinto Casseta e Planeta:

"Se o Brasil é assim, imagine a Jamaica
Se o Detran daqui é assim, imagine o da Jamaica
Se o Whisky Paraguaio daqui é assim, imagine o da Jamaica
Se a minha sogra aqui é assim, imagina na Jamaica"...

"Se o cinema nacional daqui é assim, imagine na Jamaica
Se a meningite daqui é assim, imagine na Jamaica
Se os Argentinos daqui são assim, imagine os da Jamaica
Se o Botafogo daqui é assim, imagine o da Jamaica"...

não levava em conta que teríamos uma inveja danada do corredor deles.

Seria o caso deles inverterem:

"Se o Usain Bolt daqui é assim, imagina o do Brasil!"


Snif! Não temos!