Procure por assunto (ex.: vacinas, febre, etc.) no ícone da "lupinha" no canto superior esquerdo

24 de outubro de 2014

Riqueza


Despensa (ou armário) cheia de "bobagens" quando há crianças por perto. 
Pode?
Depende.
Depende essencialmente do comportamento da criança em relação à essas "bobagens".
Se é uma criança comilona, do tipo que precisa enxergar o fundo do pacote, seria muito interessante ter uma despensa absolutamente pobre (pobre dessas coisas, se o filhote quiser se empanturrar de palmito em conserva, por exemplo, deixe que o faça, só não comemore na frente dele!).
Agora, se é um pimpolhinho blasé, do tipo que vê um pacote de Chips como quem assiste uma partida entre o América do Rio Grande do Norte e a Matonense, 0 a 0, pode deixar. Só é recomendável estar atento para uma mudança nesse comportamento no futuro.

20 de outubro de 2014

Babel


Acho que uma crise sem precedentes na medicina é a falta de comunicação.
Ninguém quer ouvir ninguém. Médicos estão sem bolsa escrotal para ouvir os lamentos dos pacientes (pacientes estes que já não são ouvidos em casa, muitas vezes). Essa função cansa com o tempo, e os da nova geração são individualistas, muito mais focados neles mesmos do que nos outros.
Pacientes, também, estão impacientes para ouvirem os médicos, quando estes têm o que dizer, principalmente porque buscam apenas as informações que lhes interessam.
Quem observa "de fora" algumas consultas médicas atualmente pensa que médico e paciente são de países diferentes, que não falam o mesmo idioma.
E aí, tome remédio, tome exame, tome busca por algo que não substitui as orelhas.

17 de outubro de 2014

Cadê o Queijo?


Uma pergunta que - trabalhando com crianças o dia inteiro - sempre me faço é: qual o percentual dessas crianças foram, no sentido estrito da palavra, realmente planejadas? Significa: quais não foram "acidentes de percurso" na vida do pais (pais que falharam na contracepção ou que não souberam fazê-la), ou ainda, quais foram aparentemente planejadas mas mais por pressão social ou familiar do que por real vontade da maternidade/paternidade (descontado o fato de que em muitos casos pelo menos um dos pais realmente quis ter filhos)?
E por que a preocupação?
Nenhuma real preocupação, visto que no final das contas filhos são e sempre serão filhos e os pais costumam dar conta, mas não há dúvida que um filho desejado e planejado é pelo menos inicialmente recebido com braços mais abertos, costuma haver mais paciência com choros, noites em claro, problemas médicos, etc. (e, certamente, choros, noites em claro, problemas médicos e etc. costumam ser menos frequentes nessa turminha).
Além disso, me parece que "nunca antes na história da humanidade" (como diria Lula, aquela figura, que presidiu o Brasil) pais estiveram tão com a faca e o queijo na mão para decidirem sobre como e quando formarem suas famílias.
Estão tão com a faca e o queijo na mão que às vezes deixam de cortar. Ou quando cortam, ficam com aquela cara de arrependidos (do gosto do queijo).



14 de outubro de 2014

Pastinha


Processo por erro médico, repetição de tratamento (frutífero ou não), efeitos colaterais de curto ou longo prazo, ou simples "coleção".
São vários os motivos pelos quais devemos guardar as receitas de medicamentos prescritos anteriormente às crianças. As mais recentes devem, inclusive, estar anexadas à carteira de vacinação. Nem sempre serão necessárias, mas podem conter informações vitais a um diagnóstico ou tratamento adequado.
Não são poucos os casos em que, ao perguntarmos aos pais sobre tratamentos anteriores ou mesmo medicações de uso contínuo, ouvimos um: "Sei lá!".
Alguns pais sentem-se um pouco envergonhados por portarem receitas "da concorrência" (de outros médicos). Azar! O interesse da criança e da sua saúde devem estar acima dessas questões, e o médico deve ser capaz de absorver o "ciúme"! 

10 de outubro de 2014

Alergia ou "Alertia"?


O pesquisador Ruslan Medzhitov, da universidade de Yale tem uma teoria um pouco diversa sobre a alergia.
Não seriam mecanismos de defesa mal direcionados contra agentes pouco agressivos do ambiente, como se postula na tão propalada "teoria higiênica", aquela que diz que a perda dos inimigos (bactérias, parasitas, fungos) naturais anteriormente presentes na natureza fez nosso sistema imunológico procurar outro alvo: nosso próprio organismo.
Medzhitov explica que todo sintoma alérgico (tosse, espirro, produção de secreção brônquica, lacrimejamento) é uma tentativa de expulsão de algum agressor, como o pólen, o ácaro, o veneno de um inseto. Os nossos agentes agressores novos das últimas décadas são os poluentes atmosféricos e componentes químicos industriais, presentes no que comemos, bebemos, deitamos, passamos no corpo, etc.
Esses novos inimigos ampliam e modificam nossa resposta imunológica, bem como modificam os "antigos" alérgenos (os pólens tornam-se "superpólens" pelo acréscimo dos poluentes, por exemplo).
Os alérgicos, pela teoria de Medzhitov, não seriam tão "doentes" assim. Sua resposta contra poluentes (por exemplo, produzindo abundante secreção nasal e brônquica que impedem poluentes de se fixar definitivamente no aparelho respiratório, evitando um câncer pelos mesmos poluentes mais tarde) seriam um resposta . Além do mais, servem os alérgicos como uma sentinela (sentinela sofrida, é bem verdade) de que o ambiente em que vive ele e seus familiares está pouco saudável (o que serviria para se tentar melhorar suas condições ambientais).